Coinpayments chega ao Brasil e quer levar pagamentos por criptomoedas para 100 mil lojistas

0 9

Número de investidores de ETFs e fundos lastreados em criptomoedas negociados na Bolsa brasileira neste ano é 11 vezes maior que em 2020, segundo a Hashdex

Diante da ampliação do uso de criptomoedas mundialmente, o mercado brasileiro passa a ser alvo de investimentos de processadoras desse tipo de pagamento. Para ampliar o número de clientes, a multinacional das Ilhas Cayman Coinpayments, que atua em cerca de 200 países, deu início recentemente às operações no Brasil. Rubens Neistein, gerente de negócios da empresa no país, afirma que a decisão de fincar os pés na América Latina deve-se ao crescimento desse mercado na região.

“O volume de transações [da companhia] na América do Sul saltou de 1% para 8% em relação ao nosso volume total nos últimos dois anos, e os brasileiros são responsáveis por 40% do mercado latino-americano [da Coinpayments]”, diz Neistein.

Em 2020, ainda sem atuar diretamente no país, a Coinpayments transacionou US$ 75 milhões no país, com cerca de 1 mil estabelecimentos, por meio de subsidiárias de seus clientes multinacionais. E apenas no primeiro trimestre de 2021, o volume total de processamento de pagamentos teve um salto de cerca de 400% em relação ao mesmo período do ano passado, superando a marca de US$ 40 milhões.

A companhia possui clientes como a varejista canadense Shopify e a norte-americana Overstock.com, e seu software aceita transações com mais de 2 mil criptomoedas. Neistein afirma que as companhias definem um preço em real para um produto e quando um cliente vai fazer o pagamento “existirá a opção, boleto, cartões e criptomoedas.” Ao selecionar a opção, o sistema da Coinpayments faz a conversão e calcula o valor para o consumidor final.

Por exemplo, se um liquidificador custa R$ 150,00 e o cliente planeja pagar com bitcoin, ele precisará transacionar 0,00064 BTC, se considerado o preço da moeda digital às 8h, horário de Brasília, de hoje (13), que estava cotada a R$ 233,919.

A empresa prevê finalizar, em breve, um acordo com a Facilitta, startup brasileira de soluções financeiras, para permitir que a Coinpayments tenha automaticamente uma liquidação em reais para a conta do lojista. “Ou seja, para que o vendedor não sofra a variação de uma criptomoeda, nós já faremos a transação para ele em reais de forma instantânea”, diz Neistein. Esse recurso entrará em vigor em outubro.

A meta da companhia é aumentar 30% o valor total de transações feitas por clientes no Brasil em 2021, se comparado com o movimentado no ano passado, de US$ 97,5 milhões. A receita da Coinpayments é fruto da taxa de 0,5% cobrada em cada transação realizada, assim, até o fim de 2021, o objetivo é arrecadar o montante de US$ 633 mil no mercado doméstico.

Segundo Neistein, nos próximos 15 dias, a empresa vai fechar uma parceria com uma provedora de pagamento para multiplicar em cem vezes a quantidade de clientes que possui hoje no Brasil. O executivo não informou o nome da parceira, mas ressaltou que a meta de crescimento da empresa neste ano ainda não considera esse acordo.

A Coinpayments também pretende expandir as operações para o Chile e Argentina, mas ainda não há data para esse novo passo.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O boom do mercado nacional

De acordo com a plataforma de criptomoedas crypto.com, o número de investidores globais que utilizam a forma de pagamento dobrou de tamanho no primeiro semestre deste ano, atingindo 221 milhões de usuários. Esse movimento também foi sentido no mercado nacional. Segundo a consultoria brasileira Grimpa, que entrevistou 500 investidores brasileiros, entre homens e mulheres, no mês de agosto, 41% deles disseram já ter investido em criptomoedas.

Dos 3,91 milhões de CPFs registrados na B3, cerca de 325 mil investem em fundos e ETFs (fundo de índice) ligado a um criptoativo, apontou a gestora de fundos multinacional Hashdex. A quantidade é 11 vezes maior que a registrada em 2020, de 30 mil investidores. E o bitcoin é o terceiro investimento preferido entre os brasileiros, atrás do mercado de ações e renda fixa, segundo o estudo.

Um levantamento do Economatica a pedido da Forbes mostrou que os cinco fundos de criptomoedas que mais tiveram movimentações até 27 de agosto na B3 eram da Hashdex: Hashdex Nasdaq Crypto Index, Hashdex Criptoativos I FI Mult, Hashdex 20 Nasdaq Crypto, Hashdex Bitcoin Mult e Hashdex Bitcoin Full 100 FICFI. Ao todo, eles transacionaram R$ 3 bilhões entre janeiro e agosto. De acordo com a Quantum Finance, existem 29 fundos de cripto no mercado nacional.

E não são só os investidores pessoas físicas que estão com bons olhos para as criptomoedas. Os pequenos comércios também estão entrando nesse mercado. O tatuador Sandro Wayne, por exemplo, aceita o pagamento via criptomoedas há sete anos, especificamente a favecoin. Cerca de 5% do seu faturamento mensal é pago por meio das critpos, “Mas é só quando está em baixa. Se o preço sobe, vai para 30% da receita”, conta.

“Estou aceitando pagamentos em favecoin [uma criptomoeda brasileira], pois acho o projeto da cripto muito legal, e ainda posso comprar as favecoins com PIX, o que é muito fácil”, afirma o tatuador, que trabalha no estúdio Wayne Tattoo, em São Paulo. A cada transação com a favecoin, 1% do total é direcionado a causas sociais.

Em entrevista à Forbes, um dos idealizadores da favecoin, Bruno Max, explicou que foram emitidos 1 milhão de tokens e que a altcoin (criptos que não são bitcoin) foi desenvolvida para ser deflacionária, ou seja, para atenuar os efeitos do crescimento da inflação em países emergentes.

Até o momento, os tipos mais negociados mundialmente, segundo a plataforma de rastreamento de criptomoedas CoinMarketCap, são o bitcoin, ethereum, cardano, binance e theter. Juntas, já movimentaram total superior a US$ 1,6 bilhão desde o início de suas negociações.

Roberta Antunes, chefe de crescimento da Hashdex, acredita que o “boom” do mercado de criptomoedas no Brasil é por conta “do avanço na regulamentação global, da alta na adoção de projetos com blockchain e da entrada de investidores institucionais e grandes companhias que estão adotando as moedas digitais como forma de pagamento”.

Nos últimos dias, por exemplo, as redes de fast food McDonald’s e Panda Express começaram a aceitar bitcoin em El Salvador, na América Central, depois que o país começou a adotar a forma de pagamento como moeda corrente, na terça-feira (7). No primeiro dia de transação, a moeda teve queda de 10%, frustrando expectativas, destacou a Genial Investimentos.

De acordo com a lista da Forbes Blockchain 50 deste ano, a dinamarquesa A.P. Moller-Maersk, as chinesas Ant Group e Baidu foram as companhias que mais usaram a tecnologia do blockchain em 2020.

Fonte: Forbes

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais