CoinPayments planeja dobrar de tamanho no Brasil em 2022

0 16

A CoinPayments, plataforma de pagamentos com criptomoedas, planeja fechar 2022 com cerca de 5 mil clientes diretos no Brasil utilizando seu sistema e US$ 400 milhões (R$ 2,2 bilhões) em transações. Portanto, trabalha com um crescimento de 125% em número de negócios usuários e de 110% em valores na comparação com 2021.

Em entrevista ao Blocknews, Rubens Neistein, diretor para o Brasil da CoinPayments, afirmou que o foco é fazer parcerias com fintechs, plataformas de e-commerce e grandes redes. “Agora, o nosso esforço é disponibilizar a plataforma para bens e serviços, para permitir o uso ao maior numero possível de lojistas”.

Em novembro passado, a CoinPayments, fechou acordo com a Shipay, fintech que integra pagamentos digitais ao sistemas de recebimento no varejo, para permitir o uso de criptomoedas. A fintech está em 500 mil pontos de venda físicos e 10 mil e-commerce, incluindo clientes como Burger King e O Boticário.  Portanto, ao fazer esse tipo de acordo com um cliente, a CoinPayments acessa uma série de lojistas numa tacada só.

Educar os consumidores também faz parte do plano, já que pagar em criptomedas não é usual, até para muita gente que tem criptos, mas como forma de investimento. Na “boca do caixa”, online ou offline, o brasileiro está acostumado com “maquininhinha”, cartão de crédito e sistemas como PayPal, por exemplo.

Taxa da Coinpayments é menor do que cartão

Assim, é com eles que a CoinPayments vai tentar concorrer. Só que para o lojista, “temos muitos argumentos para adotarem nosso sistema. O cartão, por exemplo, cobra taxa mais alta”, defende Neistein. Em 2021, a taxa média foi de 2,02% do valor da compra no cartão de crédito e de 1,03% no débito, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). Já a taxa da empresa é de 0,5% do valor da transação.

Além disso, com cripto não tem estorno do valor da compra, uma vez que transação em blockchain não tem volta. Isso, para o consumidor, pode ser um ponto desagradável.

O uso de criptomoedas no Brasil está crescendo e o país ganha cada vez mais atenção no cenário do setor. Empresas de fora estão se instalando aqui e outras brasileiras nascendo. E é acreditando no que chama de “uma grande da curva de crescimento de pagamentos com criptomoedas” que Neistein faz seus planos.

A CoinPayments nasceu em 2013 e foi a primeira a oferecer processamento de pagamentos com altcoins, ou seja, criptomoedas que não são o bitcoin. Depois disso, evoluiu para serviços como suporte a carteiras digitais e conversão de moedas. Hoje, tem 2,2 milhões de usuários em 182 países. A empresa afirma que oferece suporte a mais de 175 criptomoedas para pagamentos e a mais de 2.280 criptomoedas com carteiras dedicadas.

Neistein assumiu a operação no Brasil em abril de 2021, mas também deverá trabalhar para a operação na América Latina. “Foram 9 meses de parcerias estratégicas e avanços, consolidando a CoinPayments como gateway de pagamentos cripto-cripto”, afirmou. “Na América do Sul sou o único (dirigente). Vamos expandir para outros países”, disse. Mas, já há lojas na região usando o serviço da CoinPayments.

Fonte: Blocknews

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais