Dinheiro roubado da Gerdau via Santander virou Bitcoin e foi transferido para contas da Binance | Portal do Bitcoin

0 14

Em abril de 2020, a metalúrgica Gerdau foi vítima de um roubo de R$ 30 milhões. Dois anos depois, no entanto, as repercussões do caso também chegam a outras empresas atingidas pelo golpe. A frase se aplica especialmente ao banco Santander, que arcou com o prejuízo do golpe, e a corretora de criptomoedas Binance, que acabou tendo depositada em suas contas a maior parte do dinheiro roubado, transformado em Bitcoin.

Apuração do Portal do Bitcoin descobriu que o Santander contratou a empresa de análise blockchain Chainalysis para rastrear a rota do dinheiro e obteve, através de uma fonte que preferiu não ser identificada, dados que comprovam que a Binance recebeu a maior parte das criptomoedas originárias do roubo.

A análise da Chainalysis rastreou 457 transações dos endereços vinculados ao roubo e que partiram do endereço raiz 1HMabWeAQ6DVArp9MX13CNniWKXmB7FKP5, identificado com a origem do cluster — um conjunto de diferentes endereços sob o controle de um mesmo usuário.

Após realizar o rastreamento, o Santander tenta agora recuperar o dinheiro transformado em Bitcoin e protagoniza um processo contra a Binance (através da B Fintech) na justiça brasileira.

Desvios digitais

Em abril de 2020, um grupo de golpistas conseguiu roubar R$ 30 milhões de uma conta da Gerdau mantida no Santander.

Os desvios ocorreram após a conta da metalúrgica ser alvo de uma fraude — em um golpe até então desconhecido — na qual o dinheiro saiu da conta através de outra empresa de fachada, que também era cliente do banco.

A mesma organização criminosa repetiu o esquema pouco depois, roubando, e depois transformando em Bitcoin, outros R$ 5 milhões de uma conta mantida pela B3, a operadora da bolsa de valores de São Paulo.

No caso da Gerdau, os R$ 30 milhões foram desviados entre os dias 15 e 16 de abril por 11 TEDs, que tinham como destino seis empresas de fachada.

Trecho do processo do MP do Rio Grande de Sul (Fonte: Portal do Bitcoin)

A investigação do Ministério Público do Rio Grande do Sul descobriu na época que pelo menos R$ 18 milhões dos R$ 30 milhões roubados da Gerdau foram convertidos em Bitcoin para a lavagem de dinheiro.

Esses R$ 18 milhões foram enviados para corretoras, mesas OTC e P2P brasileiros para a compra da criptomoeda.

Seguindo o rastro das criptomoedas

No  dia 16 de abril de 2020, o Santander identificou que duas operações suspeitas haviam sido realizadas com as contas que receberam o dinheiro roubado na corretora brasileira Nox Trading. O primeiro depósito, de cerca de R$ 11 milhões, foi devolvido ao banco porque a Nox Trading conseguiu bloquear o Bitcoin comprado pelos golpistas, que ainda não haviam sido retirados da corretora.

O que o Santander não conseguiu recuperar foram R$ 7.764.927, transferidos para a Nox um dia antes (15), a partir de três empresas de fachada envolvidas no roubo: House Tecnologia, Inovar e LL Foster.

Dados compartilhados pelo site Livecoins indicam os endereços pertencentes a cada empresa, também encontrados no banco de dados obtidos pela reportagem, e oferecem uma visão detalhada da movimentação desses fundos.

Dois endereços vinculados à House Tecnologia receberam a maior quantia de bitcoin, cerca de 232,9 BTC. Já a Inovar recebeu 55,7 BTC e a LL Foster outros 41,7 BTC, fechando um total de 330,3 BTC.

A maior parte desse valor — 216,7 BTC (cerca de R$ 7,7 milhões na cotação da época) —  foi obtido através de oito compras de bitcoin feitas na Nox Trading.

Depois disso, essas criptomoedas foram enviadas para duas carteiras da Binance, expostas pela Nox a pedido do Santander (1GmR…pm e 13Mv…Ge).

O Portal do Bitcoin rastreou o caminho do bitcoin através da plataforma Bitquery.

Caminho bitcoin roubado

A partir daqui, o rastro dessas criptomoedas é apagado. No momento que o bitcoin “sujo” entra na exchange, eles se misturam às milhares de outras moedas enviadas ao endereço de depósito da corretora, de tal forma que não é possível localizá-lo posteriormente na blockchain sem que a plataforma responsável pela operação colabore e esclareça a movimentação das contas.

Os dados da Chainalysis mostram que a Binance recebeu diretamente criptomoedas roubadas da fraude na Gerdau outras sete vezes, sem a intermediação da Nox.

A primeira dessas sete transações independentes aconteceu no dia 16 de abril, quando um endereço vinculado ao roubo (16LB…AQ) enviou 30,5 BTC para a corretora.

Contas Binance

As outras seis transações enviaram à plataforma 250 BTC partiram de um mesmo endereço (132N…YB) entre os dias 29 e 30 de abril, e 6 e 7 de maio. Portanto, essas sete transações enviaram à Binance 280,5 BTC.

Contas Binance

Somando esse número com aos 216,7 BTC transferidos por intermediação da Nox, a Binance recebeu de forma direta 497,2 BTC dos endereços vinculados à fraude Gerdau.

De acordo com o Índice de Preço do Portal do Bitcoin, o preço médio do BTC em abril de 2020 era de R$ 37 mil, de tal forma que a estimativa é que a Binance recebeu por volta de R$ 18,3 milhões em bitcoin comprados com dinheiro roubado.

Ou seja, cerca de 76% de todo dinheiro roubado pela mesma organização criminosa (menos os R$ 11 milhões recuperados pelo Santander) passou pela Binance.

Essa porcentagem pode ser ainda maior, uma vez que a maior parte dos endereços de destino primário do Bitcoin roubado não foi identificada. Apesar disso, outras sete empresas além da Binance e Nox receberam de forma direta fundos roubados, como Huobi (2,9 BTC), Braziliex (1,3 BTC), Brasil Bitcoin (0,08 BTC), Kioshi Servicos Digitais OTC (20 BTC), CoinPayments (0,7 BTC), ChangeHero (3 BTC) e Nominex (3 BTC).

A briga entre Santander e Binance na justiça

Como a Binance foi quem recebeu a maior parte dos fundos roubados, ela se transformou no principal alvo do Santander na justiça.

O principal pedido do banco foi que a corretora revelasse – assim como fez a Nox Trading – informações dos usuários responsáveis pelo depósito e saque dos bitcoins roubados.

A Folha de S. Paulo teve acesso ao processo no qual o Santander acusou a Binance de dificultar, de maneira maliciosa, a recuperação do dinheiro roubado na fraude Gerdau.

Na época, a Binance disse que não tinha capacidade técnica para identificar os responsáveis pelas carteiras digitais mantidas na sua plataforma e que receberam os bitcoins comprados com dinheiro roubado.

O Santander recorreu e, em fevereiro deste ano, a decisão judicial ficou do lado do banco e em desfavor da corretora. O juiz deu um prazo de 15 dias para que a Binance revelasse a identidade dos usuários que movimentaram os fundos roubados. Se não prestasse as informações, a corretora pagaria uma multa diária de R$ 5 mil.

A reportagem da Folha disse que, embora a Binance tenha inicialmente afirmado não ser capaz de fornecer os dados, entregou as informações solicitadas duas horas após a decisão do juiz ser publicada.

Procurada pelo Portal do Bitcoin, a corretora não comentou se pretende dar seguimento ao processo em outras instâncias. Se limitou a dizer que “atua em constante colaboração com as autoridades locais para desenvolvimento e regulação do mercado, bem como em eventuais investigações para coibir que pessoas mal intencionadas utilizem a plataforma”.

A reportagem também procurou o Santander se os dados obtidos da Binance possibilitaram a recuperação do dinheiro roubado na fraude Gerdau. O banco, no entanto, optou por não comentar o caso, uma vez que o processo ainda está em andamento na Justiça brasileira.

Fonte da notícia : https://portaldobitcoin.uol.com.br/__trashed-18/

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais