Educbank anuncia pagamento por criptomoedas para escolas

0 6

De forma inédita no setor, a fintech permitirá que as instituições de ensino diversifiquem os meios de pagamento, inclusive por criptomoedas, para escolas.

O Educbank, primeira fintech para educação básica da América Latina, anunciou seu novo meio de pagamento: criptomoedas. Agora, de forma pioneira, as escolas particulares brasileiras poderão diversificar ainda mais os seus meios de pagamento, e as famílias responsáveis pelos estudantes terão autonomia para quitar as mensalidades via criptomoedas, Pix, boleto bancário, dinheiro e/ou cartão de crédito.

“Sabemos que a ampla maioria das Escolas brasileiras ainda são reféns do ‘bom e velho’ boleto bancário. Inconformados com este cenário, queremos transformar as instituições de ensino em vanguarda no que tange as inovações financeiras”, afirmou Lars Janér, CEO do Educabank.

De acordo com o Banco Central, já foram comprados mais de R$ 23 bilhões em criptomoedas no Brasil somente em 2021. A estimativa é que o total de ativos digitais em posse dos brasileiros some até R$ 276 bilhões.

O Bitcoin é considerada a mais popular, e lidera com vantagem o número de transações realizadas no Brasil, segundo a CoinPayments, processadora de pagamentos em criptomoedas. Cerca de três, a cada quatro operações (77%), são realizadas com Bitcoin, seguida pelo Ether, token nativo do blockchain Ethereum, que é usado em 27%. Por fim, vem o Binance Coin (BNB), Tether (USDT) e Polkadot (DOT).

O Educbank vem apoiando financeiramente escolas brasileiras desde 2020. A companhia garante o acesso a capital e o recebimento integral de 100% das mensalidades, mesmo em caso de atraso dos responsáveis financeiros. O compromisso da fintech é o de ampliar o acesso à educação básica de qualidade no país. Atualmente, o Educbank é considerado um dos principais projetos educacionais em andamento no Brasil.

Pagamento de mensalidade via Pix também já é realidade

Outro meio de pagamento que tem gerado repercussão é o Pix, que o Educbank já implementou nas escolas sob sua consultoria. Conforme pesquisa realizada pela Zetta em parceria com o Datafolha, 81% dos entrevistados afirmam utilizar o Pix. O percentual se aproxima dos meios de pagamento líderes do mercado: dinheiro (84%) e cartão de débito (85%). Dados do Banco Central registram que em 2021 já foram cadastradas mais de 313 milhões de chaves do Pix, sendo 12,7 milhões de chaves de empresas e 300,5 milhões de chaves de pessoas físicas.

Desde a sua implementação, em novembro de 2020, o Pix tem uma penetração na população brasileira maior do que cartão de crédito (74%) e boleto bancário (53%). Entretanto, nas escolas particulares o cenário é bem diferente. Por exemplo, nas instituições de ensino parceiras do Educbank, cerca de 95% dos recebimentos ainda são via boletos, e apenas 5% são via Pix.

“Como ex-gestor de uma rede de escolas, sei que há muito ainda por fazer para sedimentarmos todas essas inovações financeiras nas escolas. Mas acreditamos que desta forma vamos facilitar e simplificar a relação dos gestores escolares com as famílias, além de ampliar as opções dos meios de pagamento, garantindo que cada responsável financeiro dos estudantes tenha autonomia de escolher a forma ideal de manter os pagamentos em dia”, disse Danilo Costa, fundador do Educbank.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais