Shipay: startup oferece padronização nos pagamentos do varejo, do Pix às criptomoedas

0 13

Criada em 2019, a Shipay nasceu para ajudar os lojistas com uma nova forma de pagamento que surgia no mercado: o QR Code. Oferecido por carteiras digitais como Mercado Pago, PicPay e AME, os diferentes sistemas de cada uma causavam problemas de recebimento para as empresas e a nova startup tinha como missão simplificar esses pagamentos.

A escolha por esse serviço surgiu depois de muita pesquisa de mercado e estudo das tecnologia e novos modelos de fintechs. A plataforma da Shipay começou a ganhar forma em setembro de 2019, pelas mãos dos fundadores Luiz Coimbra, Charles Hagler, Paulo Loureiro e Fabio Ikeno – todos com passagem por empresas de tecnologia e finanças.

Logo no início, os fundadores mapearam três “dores” dos lojistas com os pagamentos por meio de QR Codes de carteiras digitais:

  • Risco de fraude com placas de QR Code para cada uma das carteiras digitais;
  • Falta de clareza com a efetivação do pagamento, sem uma confirmação imediata para o lojista;
  • Falhas no fechamento diário do caixa por precisar consultar cada uma das carteiras digitais.

Com isso, a plataforma da Shipay se propôs a endereçar cada um desses problemas e levar uma solução simplificada em um único aplicativo.

“Conseguimos uma solução flexível, que funciona para pequenas lojas de bairro e também para grandes empresas. Com tecnologia API, conectamos cada uma das carteiras digitais à conta da loja e pela nossa plataforma o lojista tem a confirmação de pagamento e também oferece um QR Code seguro para o cliente”, explica Fábio Ikeno, CTO da Shipay.

Tudo ia bem, até que surgiu a solução de pagamentos instantâneos do Banco Central, o Pix. Quando aconteceu o lançamento, o BC avisou que os bancos teriam que implementar uma integração única e padronizada.

“Achamos que nosso negócio fosse acabar, porque o Pix fez muito mais sucesso do que os QR Codes e com um sistema padronizado dos bancos, o modelo de negócios da Shipay perdia valor. Até que percebemos que a solução padronizada não aconteceu e cada banco tinha o seu próprio sistema. Aí, o Pix foi a nossa virada”, conta o CTO.

Pix muda o negócio da Shipay

A chegada do Pix, em novembro de 2020, permitiu à fintech chegar a grandes corporações e aumentar a penetração em lojistas pequenos também. No início de 2021, o volume de transações na plataforma da Shipay tinha crescido em 10 vezes na comparação anual.

Com o sucesso dos pagamentos instantâneos feitos pelo Pix, mais empresas correram para oferecer o serviço e, consequentemente, precisaram de uma solução para unificar o sistema internamente.

Também no começo do ano passado, a Shipay passou por uma rodada de investimento semente que ajudou no crescimento da startup. Os fundadores não abrem o valor, mas indicam os nomes dos investidores: Laércio Cosentino, fundador da Totvs (TOTS3), e João Augusto Valente, publicitário sócio-fundador do Grupo ABC.

Por meio de fundos family offices e como pessoas físicas, não em nome de suas empresas, os empresários aportaram valores na startup que permitiram a contratação de mais funcionários e a expansão dos serviços, com investimento em mais tecnologia.

Atualmente, a Shipay tem mais de 50 funcionários e está conectada a cerca de 300 plataformas, que fazem implementações com as empresas para a automação dos serviços de pagamento. A fintech tem clientes em todos os estados do Brasil, do Rio Grande do Sul ao Amapá.

Além da conexão com as carteiras digitais (que permanece) e com o Pix, a startup também já oferece soluções para criptomoedas em parceria com a CoinPayments, e trabalha para implementar opções de programas de fidelidade e outros produtos mais nichados.

“Nosso objetivo é agregar cada vez mais serviços que possam ser úteis para os clientes da ponta. Da mesma forma que no início, nossa missão era simplificar a vida do lojista. Esse propósito ainda permanece”, diz Ikeno.

Parceria de peso com a AWS

Para conseguir expandir os serviços rapidamente e manter a qualidade e velocidade da plataforma, a Shipay conta com a parceria da Amazon Web Services (AWS). O diretor de tecnologia da startup explica que já conhecia o provedor de longa data, motivo pelo qual escolheram os serviços da AWS desde o início.

Por meio do programa AWS Activate, que oferece US$ 100 mil em créditos para as startups usufruírem dos benefícios em nuvem da empresa, a Shipay iniciou suas operações com a provedora da Amazon e, desde então, permaneceu com ele.

Para Ikeno, os programas de aceleração para startups e benefícios como o Activate – oferecido pela AWS – são muito importantes para o início das empresas novatas.

“Tanto os programas de aceleração que ajudam a entender melhor o mundo dos negócios, quanto os créditos oferecidos pela AWS ajudaram muito a Shipay no início da nossa operação. Foram decisivos para colocar nosso produto em funcionamento”, diz o CTO.

Fonte: Suno

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais