Stablecoin brasileira lastreada no real, BRZ fecha 2021 acumulando R$ 7,4 bilhões em negociações

0 7

O Brazilian Digital Token (BRZ), uma stablecoin brasileira lastreada ao real, fechou 2021 com um volume recorde em transações de R$ 7,4 bilhões desde a criação da criptomoeda, em 2019, pela gestora suíço-brasileira Transfero Swiss.

Conforme publicou o Valor Investe no último final de semana, a maior fatia do montante transacionado aconteceu em 2021 devido ao crescimento do interesse do mercado global de criptomoedas pelo BRZ. O que representou um volume de R$ 5,7 bilhões em negociações no ano passado.

Ao falar sobre o crescimento das negociações envolvendo o criptoativo, o diretor de produtos e parcerias da Transfero, Safiri Felix, disse que “no ano passado, o BRZ passou a ser listado em um número maior de plataformas de negociação, e isso aumentou a demanda.”

O executivo disse ainda que a empresa promoveu o crescimento do BRZ ao oferecer um serviço de conciliação às plataformas interessadas em listar a stablecoin. O que significa, segundo ele,  oferta de liquidez às corretoras, para que elas operem com mais segurança nas trocas entre o BRZ e o real ou outras criptomoedas.

De acordo com a empresa, o BRZ apresenta como vantagem a estabilidade, o pareamento com o real, a garantia de reserva e a tecnologia multichain, uma vez que foi construído em cima de diversas redes, como Ethereum, Solana, Stellar, entre outras.

Em janeiro deste ano, a CoinPayments, um dos principais gateways para pagamentos com Bitcoin (BTC) e criptomoedas, anunciou uma parceria com  a Loupit, empresa voltada para o setor de viagens corporativas, que agora permite o pagamento com criptomoedas. Na ocasião a  CoinPayments também anunciou uma parceria com a Transfero para intergação do  BRZ, conforme noticiou o Cointelegraph Brasil.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais